22 de novembro de 2014

Estamos em galáxias tão distantes, meu amor...

Chamaste-me egoísta hoje. Depois de semanas sem nos falarmos temos uma conversa que acaba, mais uma vez, em discussão. Acusas-me de ser egoísta e de nunca querer saber do que sentes, do quanto te custa o meu silêncio. Naquele momento, neguei tudo: confessei-te as horas que passei a pensar em ti, em nós; a vontade incessante de pegar em mim e ir a correr para os teus braços; a mania de acelerar o coração a cada chamada recebida....
Neguei naquele momento, mas a verdade é que sim, que sou, provavelmente, a pessoa mais egoísta que alguma vez conheci. Não por me borrifar para o que sentias, porque isso nunca aconteceu, mas por te querer sempre comigo, por achar que o meu mundo iria desabar por não te ter nele.
Desculpa. Fui egoísta quando pensei que o teu abraço era o único sítio em que podia ser feliz e queria tê-lo, independentemente de todas as barreiras. Mas nunca ouses repetir que me esqueci de ti: o teu coração é que fazia bater o meu!

2 comentários:

  1. Revejo-me tanto, mas tanto neste texto.... Enfim! Como estás?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respondi ao teu comentário no meu blog ;)

      Eliminar

Desde já Obrigada :)

Only Memories.